Palavra do Padre – Tempo Pascal

Queridos amigos e irmãos em Cristo: estamos em pleno tempo Pascal e nesse tempo, através da celebração litúrgica temos certeza da nossa ressurreição. No domingo de Páscoa através dos Atos dos Apóstolos vimos que Jesus não faz distinção de pessoas, passou entre nós fazendo o bem a todos e a seu respeito os Profetas atestam: “todo o que crê nele recebe, no seu nome, o perdão dos pecados”. (At 10,43).

O evangelho do domingo de Páscoa nos dá a certeza de nossa ressurreição. Se Jesus não tivesse ressuscitado, poderíamos dizer que teria sido derrotado pela morte. Deus não permitiu que isso acontecesse. Todos ressuscitaremos com Ele para nunca mais morrer.

“Há quem pense que o dom da própria existência seja só sinônimo de morte, renúncia e destruição de si mesmo. Mas não. Qual a Jesus, recebemos a vida para doá-la aos irmãos. (Rev. Ave Maria ano 112 Pg 28)”.

Aquele que quiser salvar sua vida, disse Jesus: irá perdê-la, mas aquele que tiver sacrificado a sua vida por minha causa, irá recobrá-la (Mt 16,25). O segundo domingo do tempo Pascal, nos passa o exemplo das primeiras comunidades cristãs. Exemplo que precisa ser resgatado em nosso meio hoje. Eles tinham grande amor pelos irmãos e não haviam necessitados entre eles. Em cada pobre, viam Cristo sofredor, com fome, sede e sem amparo. Devemos aprender com eles sobre o espírito de caridade a fim de os imitarmos em nossas comunidades. Doar nossos bens é difícil, mas não exige tanto, como doar a si mesmo, principalmente em casa. Quando ajudamos alguém de fora exige desprendimento, mas desprendimento maior, é quando ajudamos todos os dias, todos os momentos. Para que façamos dessa maneira, é preciso estarmos unidos na oração, na Eucaristia e na partilha. Quando falamos de partilha, não é só dos bens, mas também de atenção, carinho, tempo e afeto. Ainda no segundo domingo do tempo Pascal somos levados a refletir sobre nossa fé. Somos motivados a crer no Ressuscitado mesmo sem vê-lo.

No terceiro domingo do tempo Pascal, entra em cena os discípulos de Emaús, que reconhece o Senhor ao partir o Pão. Hoje, assim como naquela época, não basta reconhecer Jesus, e ficar parado, é preciso correr e anunciá-lo a todas as pessoas. Falar de Jesus com alegria no coração, porque o Reino deve ser instalado entre nós. Não é um Reino de vida fácil, mas um reino onde devemos nos tornar pequenos e carregar nossa cruz.

Queridos irmãos, vivamos unidos ao Ressuscitado e juntos propaguemos o reino de Justiça e de Paz. “A Paz do Senhor esteja convosco!”

 

Pe. Jesus