Na Vigília Pascal, 29 ex-moradores de rua são Batizados

Em torno de uma fogueira diante do Marco Zero da cidade de São Paulo, na praça da Sé, começou a celebração da solene Vigília Pascal na noite deste Sábado Santo, 4. Do fogo novo, abençoado pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, foi aceso o círio pascal, grande vela que representa o próprio Jesus Ressuscitado, que iluminou a escuridão da Catedral Metropolitana, a medida em que as pessoas acendiam suas velas da chama do círio.

Esta é considerada a “mãe de todas as vigílias” pois anuncia o ponto alto da fé cristã, a ressureição de Jesus. A Liturgia da Palavra é composta de sete leitura do Antigo Testamento, que narram a história da Salvação do Povo de Deus, salmos e orações até que é entoado solenemente o hino de louvor “Glória a Deus nas Alturas”, quando as velas do altar são acesas e os sinos tocam festivamente. Em seguida, é proclamada a leitura da Carta de São Paulo aos Romanos. O Evangelho da ressureição é precedido da aclamação “Aleluia”, que durante toda a Quaresma não foi entoado.

Outro momento significativo da Vigília é a Liturgia Batismal, na qual foram batizados 29 ex-moradores de rua acolhidos pela Missão Belém, alguns deles, também ex-usuários de drogas, que tiveram suas vidas restauradas e agora inseridos no corpo de Cristo pelo Batismo. Com eles, todos os fiéis renovaram suas promessas batismais.

“No Batismo, realiza se para nós o mistério da Páscoa. Jesus morreu por causa do pecado. No Batismo, somos mergulhados em Cristo e recebemos a vida nova em Cristo”, afirmou Dom Odilo, na homilia, convidando todos a fazer o propósito de renovar sua adesão à Cristo feita no Batismo.

Depois de batizados, os novos cristãos receberam o sacramento da Confirmação, ungidos com o óleo do Crisma, e receberam a primeira Eucaristia.